Home / Matéria / Militante petista é um dos principais coordenadores da greve dos caminhoneiros, mas talvez eles nem saibam disso

Militante petista é um dos principais coordenadores da greve dos caminhoneiros, mas talvez eles nem saibam disso

Pelo que se vê circulando de modo mais orgânico nas redes sociais, é sabido que grande parte dos caminhoneiros que atuam na greve é composta por diversos grupos minoritários, descentralizados e até mesmo, de certo modo, não tão bem organizados quando se deveria. O movimento todo se iniciou a partir de um comando central, composto de sindicalistas, mas logo depois a coisa toda tomou proporções bem maiores. Alguns dias após o início da paralisação já havia diversas lideranças locais e grupo minoritários tomando suas próprias decisões.

Aconteceu desta vez mais ou menos o que ocorreu em 2013, quando o Movimento Passe-Livre deu o pontapé para as manifestações contra o aumento da passagem de ônibus. Quem tem boa memória deve se lembrar que alguns dias após o começo disso tudo já não havia mais comando. As pessoas passaram a se organizar de forma descentralizada em grupos de Facebook e via Whatsapp. Foi exatamente isso que aconteceu novamente agora, com os caminhoneiros. Tal situação ficou clara quando, na quarta-feira passada, o governo anunciou um acordo com as “lideranças” do movimento e mesmo assim a greve continuou exatamente da mesma forma. Ali ficou evidente que os tais líderes não eram exatamente os comandantes desse movimento.

No entanto, há figurões querendo se aproveitar, como sempre. Agora uma boa parte dos caminhoneiros se vê representada pela figura de um petista – muito embora a maioria dos caminhoneiros não esteja nem aí para o PT. Sobre isso, informou o Instituto Liberal de São Paulo:

A greve dos caminhoneiros – que completa oito dias nesta segunda-feira (28) e pode se encerrar após o governo Temer atender a pauta de reivindicações de suas lideranças – é coordenada pelo “Movimento Fora Temer”, cujos principais interlocutores são um advogado que se autodenomina “militante petista”, um militante do Podemos e um pescador que chegou a ser preso por “pesca predatória”.

A principal página de divulgação dos informes e boletins do movimento grevista tem sido a de André Janones, advogado de Ituiutaba-MG. Em poucos dias, a página do mineiro chegou a 590 mil seguidores divulgando vídeos dos caminhoneiros nas estradas, informações das negociações com o governo e boletins da greve. Um vídeo divulgado neste domingo (27), entretanto, começou a mostrar uma outra face da greve: o “2° BOLETIM DA GREVE: Direto do comando nacional do Movimento FORA TEMER”.

De fato, há até um vídeo publicado pelo tal André Janone no Facebook:

 

O vídeo teve mais de 230 mil compartilhamentos e ultrapassou 4 milhões de visualizações. Como é possível perceber, há de fato alguns caminhoneiros ao lado dele neste vídeo, o que causa uma certa impressão de legitimidade. Porém, informações que circulam pelas redes sociais e especialmente pelo Whatsapp dão conta de que muita gente não está lá por ele ou pelo seu “Movimento Fora Temer”. Na realidade, é até bem provável que muitos queiram Temer fora, o real problema é que André Janone não quer apenas isso, ele também quer o PT de volta no poder. Será que os caminhoneiros concordam ou pelo menos sabem disso?

Em outro vídeo divulgado pelo próprio André Janone, no que pareceu ser um ato falho, dois caminhoneiros deixam claro que não possuem interesse na pauta política dele, mas somente no espaço que ele possui para divulgação.

 

Este vídeo, porém, teve bem menos alcance. Um pouco mais de um milhão de visualizações e 51 mil compartilhamentos. Talvez Janone não o tenha divulgado com tanta intensidade. Os dois caminhoneiros em questão também aparecem ao lado de Janone em diversos vídeos que ele publicou em sua página.

Apesar de negar veementemente que esteja filiado ao PT, André Janones não diz aos seus seguidores que esteve filiado ao partido até 2015, o que pode ser verificado no site do TSE. Ele também “esquece” de mencionar que foi membro da UNE, a União Nacional dos Estudantes, grupo historicamente controlado pelo PCdoB. Uma foto postada por ele próprio no Instagram deixa isso mais claro:

Com a queda da popularidade de Dilma Rousseff, Janones saiu do PT e se filiou ao PSC, partido que ainda era base aliada no governo petista até as eleições de 2014. Em 2016, concorreu à prefeitura de Ituiutaba, em Minas, e contou com o apoio do PT e do PCdoB, tendo um petista como seu vice. Isso também está comprovado em vídeo feito na época pela Globo local. (veja aqui) Nesta mesma época ele se livrou do Twitter antigo, no qual havia diversas provas de sua militância petista, e criou um novo para se desvincular de seu próprio passado.

Os aliados de Janones

Como seus aliados, André Janones tem os dois caminhoneiros que aparecem ao seu lado em inúmeros vídeos. Um deles é Wallace Landim, o “Chorão”, que é caminhoneiro em Goiás. Ele é militante filiado ao Podemos e em suas páginas nas redes sociais isso é bem explícito. O outro é Cláudio Honorato, o pescador. Ambos são membros do “Movimento Fora Temer”, por isso estão ao lado de Janones em quase todos os seus vídeos recentes. Ambos são coordenadores da greve nacional dos caminhoneiros.

O problema, de qualquer forma, não é tanto a militância dos envolvidos, mas o fato de que a esmagadora maioria dos caminhoneiros que aderiu a esta greve não sabe disso. As informações que circulam pelas redes deixam claro que os próprios grevistas, de modo geral, não têm muita certeza sobre quem os lidera. Como ocorreu em 2013, há muita gente nas ruas protestando por diversas razões distintas e este pequeno grupo ligado ao “Movimento Fora Temer” não necessariamente os representa.

Organização e instrumentalização

Os grevistas pararam as rodovias do país nos primeiros dias motivados, inicialmente, pela alta no preço dos combustíveis. O pontapé inicial foi dado por sindicalistas e líderes do movimento dos caminhoneiros. O problema é que essa informação se espalhou de forma bem mais rápida do que o previsto e quase que ao estilo “telefone sem fio”, que é quando os detalhes vão se perdendo no caminho tão logo a informação se propaga.

Uma extensa matéria publicada pela Folha de São Paulo dá conta da real situação.

Em outro trecho:

E mais:

O fato é que o grupo de André Janones não representa os interesses gerais da categoria. Talvez não represente nem mesmo os interesses da maioria. A greve, motivada por inúmeras razões, na realidade está sendo instrumentalizada por agentes políticos que querem colocar o PT de volta no poder muito mais do que atender as reivindicações dos manifestantes. Exatamente como ocorreu em 2013, quando milhões foram às ruas sem saber exatamente contra o que ou quem protestar, há pessoas que agora estão lá pelas mais diversas motivações. É totalmente provável que a maioria dos caminhoneiros nem mesmo saiba quem está negociando em seus nomes.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

ESCÂNDALO: Vereadora do PSOL monta mega-esquema de corrupção e desvio de verba pública, diz site

Segundo noticiou o Diário Nacional, a Vereadora de São Paulo Sâmia Bomfim do Partido Socialismo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *