Home / Notícia / Áudios mostram um Aécio à beira de um ataque de nervos

Áudios mostram um Aécio à beira de um ataque de nervos

“O tempo é o senhor da verdade”, sugeriu o senador Aécio Neves (PSDB-MG) como título de um artigo que assinaria. “Não, isso é a marca do Collor, pelo amor de Deus”, respondeu, do outro lado da linha, a irmã Andrea.

A conversa, do dia 20 de abril, dizia respeito à elaboração de texto para um jornal de Minas sobre acusações que o tucano sofreu em delações da Odebrecht.

Junto a outros grampos feitos pela Polícia Federal no celular do tucano, este mostra como Aécio tentava defender seu nome no mês anterior à divulgação de outra delação, a da JBS, que resultou na prisão da irmã e o afastou preventivamente do mandato.

Nas escutas, autorizadas pela Justiça, o tucano aparece disparando telefonemas para discutir o trâmite de seus casos na Justiça, mas também em tentativas de “enquadrar” aliados, como o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), e até na busca de uma ponte com o PT de Minas Gerais.

Em 17 de abril, ele ligou irritado para o governador paranaense Beto Richa (PSDB) exigindo que o chefe da Casa Civil do Paraná, Valdir Rossoni, apagasse um vídeo em que cobrava explicações do senador sobre a Odebrecht. “Ou ele arranca isso agora [e diz que] foi mal-entendido ou acabou aí entre a gente.”

Dois dias depois, Aécio reclamou com o deputado petista Gabriel Guimarães (MG) sobre um pedido de investigação feito por um outro integrante do PT no Estado. Disse que o momento “não é para fazer graça” e que cada um precisa administrar “os doidos de cada lado”.

“Entra nesse circuito hoje para ver se baixa essa bola”, disse Aécio, que pediu que o recado fosse dado ao governador Fernando Pimentel, do PT.

Procurado, Guimarães disse que ouve todos que o procuram para tratar de Minas.

As informações são da Folha de São Paulo.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

PT quer fazer “controle social” do Judiciário

Fernando Haddad segue sua jornada de entrevistas como dublê de coordenador de programa de governo …

Um comentário

  1. O MBL possui atuação em MG? Aqui em MG está se desenhando um cenário perigoso. Há um vácuo político. Um problema crônico é a grande atuação de sindicalistas petralhas que atuam em prol de Pilantrel, notoriamente o funcionalismo público. E essa turma tende a votar nesses vermelhos ano que vem. O MBL precisa atuar em BH, Governador Valadares, Ipatinga, Teofilo Otoni, Juiz de Fora,Viçosa, Muriae, Uba, Varginha, Poços de Caldas, Uberlandia, Uberaba, Montes Claros e Divinopolis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *