Home / Notícia / Carlos Andreazza fecha polêmica sobre professora pró-agressão agredida: "nada justifica, mas é preciso dar exemplo"

Carlos Andreazza fecha polêmica sobre professora pró-agressão agredida: "nada justifica, mas é preciso dar exemplo"

Carlos Andreazza comentou sobre a professora que é a favor de agressões porém não gostou de ser agredida.

Márcia Friggi, uma professora de 51 anos, foi agredida por um aluno de 15 anos nesta semana. Ela relatou o acontecido em suas redes sociais, no entanto não esperava que receberia críticas por ser uma militante de extrema esquerda que apoia violência contra aqueles dos quais discorda.

Exatamente o mesmo pensamento do aluno que a agrediu, porém, ela não acha que ele tinha razão ao agredi-la após discordâncias. O jovem já tem histórico de violência e, como Andreazza comenta, nada justifica a agressão.

Só que em tempos onde tudo se torna “política”, as posições feministas e extremistas da professora acabaram expostas e tornaram-se o centro das atenções do caso.

“Estou estarrecida. Certas pessoas estão escrevendo que eu merecia isso, por meu posicionamento político de esquerda, de feminista. Já atingiram o meu olho, mas não vão me calar. Na sala de aula é uma coisa, mas nas redes sociais tenho todo o direito de me expressar”, disse a professora em discurso empoderado.

 

Sobre A Redação

Leia também

Historiador apela ao bizarro e sugere leis para dificultar saída de jovens craques do país

Enquanto muitos discutem se a torcida “está ou não ligada na seleção” – que estreou …

4 comentários

  1. O que ela não merece é empatia, que é o que ela procura se fazendo de vitima profissional (independente de ter sido vitima ou não).

    “Certas pessoas estão escrevendo que eu merecia isso, por meu posicionamento político de esquerda, de feminista.”

    Jesus falou ao seu discípulo que quem vive pela espada, morre pela espada. Se apoia a violência contra pessoas inocentes não pode ficar de mimimi quando é vitima de uma pessoa que acredita nas mesmas coisas que ela.

    • “mas nas redes sociais tenho todo o direito de me expressar”
      A própria esquerda prega que liberdade de expressão não isenta a pessoa de consequências pelo que ela falou (basicamente um eufemismo de a força dita as regras, sendo que os mais poderosos tem mais liberdade de expressão do que pessoas pobres). Duplo padrão fail…

  2. Plantou Paulo Freire.
    Colheu Paulo Freire.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *