Home / Notícia / Escola é condenada a indenizar aluna (criança) por acesso a livro de conteúdo pornográfico

Escola é condenada a indenizar aluna (criança) por acesso a livro de conteúdo pornográfico

O juiz da 4a Vara Cível de Taguatinga DF julgou procedente os pedidos da autora e condenou a escola a pagar, a título de danos morais, a importância de R$ 30 mil, por ter permitido que a aluna tivesse acesso, na biblioteca do estabelecimento de ensino, a material considerado inapropriado para sua idade.

A autora ajuizou ação de indenização por danos morais, no intuito de responsabilizar a instituição de ensino por ter permitido, dentro de sua biblioteca, acesso a material impróprio para sua idade, com conteúdo de iniciação sexual. Segundo a autora, que na data do fato cursava a quinta série e tinha apenas 11 anos , ela costumava frequentar a biblioteca da escola e, ao pesquisar o acervo de livros, se deparou com material de cunho pornográfico, com a falsa ideia de educação infantil, livro denominado “Que Confusão! – Minha Primeira Coleção de Iniciação Sexual e Afetiva”. Relata que seus genitores procuraram a instituição educacional, comunicaram o ocorrido e solicitaram providências, mas nada teria sido feito.

A ré não apresentou defesa dentro do prazo legal, motivo pelo qual foi decretada sua revelia, que apesar de ter sido impugnada, foi mantida por decisão de Instância Superior.

O magistrado entendeu que restou demonstrado nos autos que houve falha da escola ao permitir que a autora tivesse acesso a livro impróprio para sua idade e que isso a teria levado a alterar seu comportamento: “Nessa esteira, a autora teve acesso ao material na biblioteca da instituição ré, o qual se destinava à iniciação sexual e afetiva, cuja matéria, ainda com tantos tabus, deve ser analisada com reserva, manejada com cuidado necessário, observados, quando presentes, os elementos normativos, ou, minimamente, as assertivas e as recomendações do orientador pedagógico. Ao não se adotar mecanismos de reserva do material, a autora, com o acesso às informações, até mesmo pela curiosidade que o tema possa sugerir, desencadeou questionamentos quanto à sua sexualidade, alterando seu comportamento e chamando a atenção de seus responsáveis, os quais, dadas as circunstâncias dos eventos, identificaram o motivo”.

A informação é do site do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

Propina da Odebrecht para Dilma teve aval de Lula, diz delação

O Refis da Crise, segundo Marcelo Odebrecht, rendeu 50 milhões de reais em propinas para …

5 comentários

  1. Parabéns Juiza. Criança com 11 anos de idade não esta preparada emocional e nem psicologicamente a descobrir sobre sexo e sua propria sexualidade. Quem esta contra a decisão da Magistrada é pedófilo..

  2. Nenhumaa criança e até mesmo adulto deve ter orientação sexual e afetiva antes de conhecer por completo como é e como funciona o aparelho reprodutor humano. cada informação ao seu tempo.não se aprende raiz quadrada antes de saber
    desmembrar as quatro operações

  3. Bem feito, parabéns aos pais e o juiz

  4. a juíza disse que esse tipo de material é “tabu”???? entao é a sociedade q está errada, a moralidade média e nao a porra da escola??? ah vá tomar no cu, EXCELENTISSIMA JUÍZA DOUTORA DE DIREITO!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *