Home / Notícia / Jaques Wagner pode ser o candidato do PT no lugar de Lula

Jaques Wagner pode ser o candidato do PT no lugar de Lula

Alberto Carlos de Almeida escreveu ao Poder360 que o “cenário básico” para ele é o de Jaques Wagner como candidato petista em 2018. Leia a análise que ele escreveu ao site:

O meu cenário básico é o de Jaques Wagner como candidato a presidente do PT em 2018. Há várias razões para se trabalhar com este cenário. Algumas merecem destaque: a provável inviabilização da candidatura de Lula, o igualmente provável aprendizado de Lula em relação à escolha de Dilma, o fato de que quem não tem sua própria base eleitoral não tem condições de ir além dela e a capacidade de agregação de Jaques Wagner como proxy de seu traquejo político.

Sérgio Moro foi célere no envio da condenação de Lula à 2ª instância da Justiça. Os prazos, ao que parece, conspiram contra o ex-presidente, mas não apenas eles. O presidente do tribunal que julgará Lula, o desembargador de nome aristocrático, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, praticamente já condenou o ex-presidente ao afirmar que a sentença de Moro é irretocável, e ao dizer que com certeza o tribunal por ele presidido irá proferir a decisão antes da oficialização das candidaturas. Trata-se de sinais fortes de que Lula será condenado em função da lei da ficha limpa, não podendo, assim, ser candidato em 2018.

Igualmente elevada é a probabilidade de que Lula tenha aprendido uma lição importante na escolha de Dilma como sua sucessora: a de que o Brasil não é governado adequadamente quando conduzido por pessoas com pouca ou nenhuma experiência política. A gestão de Dilma foi muito ruim para Lula e o PT. Ambos se encontram na atual situação porque ela tomou decisões erradas na política e na economia.

Acima de tudo, ela não foi capaz, porque não foi treinada para isso, de agregar, de ouvir as diferentes forças políticas e seguir pelo caminho de menor resistência. Errar uma vez é humano, errar duas é burrice e isto está muito longe de ser uma característica de Lula. Assim, é bem possível que o candidato preferido por ele seja alguém com sólida experiência política, alguém diametralmente oposto ao que representa Dilma. É aí que entra Jaques Wagner.

Sendo ele filho de imigrantes judeus poloneses, carioca de Cascadura, ex-aluno do Colégio Militar, ex-futuro engenheiro, ex-sindicalista, fundador do PT, deputado federal por 3 mandatos, candidato derrotado uma vez para prefeito e outra para governador, ex-ministro, o que se destaca na carreira de Wagner foi o fato de ter sido eleito e reeleito governador da Bahia e de, em seguida, ter feito o seu sucessor.

A sua primeira vitória, em 2006, foi no primeiro turno com 53% dos votos. Em 2010 ele teve 64% dos votos e derrotou Paulo Souto, do DEM, pela 2ª vez consecutiva. Souto seria derrotado mais uma vez em 2014 pelo candidato do governador, Rui Costa, que teve 54% dos votos válidos.

Além disso, a coligação de Jaques Wagner elegeu os 2 senadores em 2010, Walter Pinheiro e Lídice da Mata, e elegeu Otto Alencar senador em 2014. Em todas as eleições que venceu ele costurou uma coligação ampla. Ele cede espaço para os aliados. Em 2006 tal coligação incluía PPS, PTB e PSB e o seu vice era do PMDB. Em 2010 a coligação tinha como vice um político do PP e, dentre outros, o PSB e o PDT.

Em 2014 o candidato ao Senado era do PSD e na coligação estavam PTB, PR e PDT, também dentre uma miríade de outros partidos. Passados muitos anos da eleição de 2006, depois dos recentes acontecimentos com malas de dinheiro na Bahia e o consequente enfraquecimento de seu principal líder, é possível que o PMDB regional volte a pensar em se aliar a Jaques Wagner.

O desempenho dos candidatos a presidente pelo PT na Bahia é digno de nota. Em 2006 Lula teve 67% de votos válidos no 1º turno e 78% no 2º. Em 2010 Dilma teve 47% no 1º e 71% no 2º turno e em 2014 foram 61% e 70% respectivamente. Pode-se afirmar que São Paulo está para o PSDB assim como a Bahia está para o PT: são bases eleitorais seguras.

Ter assegurada a sua base eleitoral permite que se vá além dela, primeiro para o Nordeste e depois para o restante do país. Ir para o Nordeste é relativamente fácil, uma vez que se trata do pilar eleitoral presidencial do PT. Basta que sejam vistos os mapas eleitorais de 2006, 2010 e 2014 para se entender esta afirmação. A questão é ir para o Sul e o Sudeste

A primeira ajuda de Wagner é diáspora baiana: a maior quantidade de baianos fora da Bahia está em São Paulo. Não bastasse isso, Jaques Wagner tem pele alva, olhos azuis e fala mansa, algo que agrada até os mais empedernidos eugenistas. No Nordeste ele é chamado de galego, apesar dos cabelos grisalhos que transmitem o equilíbrio e a experiência característicos de quem tem mais idade.

A sua religião é o judaísmo, minoritária e perseguida, colocando-o acima do conflito nem sempre latente entre católicos e evangélicos. Ele tem a malemolência política de cariocas, baianos e de todo aquele que mergulha no velho sincretismo brasileiro. Que o diga o seu orixá: Oxalá. Como se vê, em tudo ele é o oposto de Dilma.

Cenários básicos podem ser modificados. É óbvio que se Lula puder ser o candidato, tudo escrito aqui cai por terra. Assim, é possível que este e outros acontecimentos venham a mostrar que Wagner não será o candidato do PT. A ver.

A candidatura de Jaques Wagner só será colocada na 25ª hora, nos acréscimos do 2º tempo. Não há dúvidas, portanto, de que elementos importantes do atual contexto o colocam em uma posição bastante forte para que ele venha a disputar a eleição contra, provavelmente, Geraldo Alckmin pelo PSDB. As outras candidaturas virão para dar mais emoção ainda a esta disputa.

Fonte: Saiba por que Jaques Wagner será o candidato do PT no lugar de Lula | Poder360

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

PT quer fazer “controle social” do Judiciário

Fernando Haddad segue sua jornada de entrevistas como dublê de coordenador de programa de governo …

Um comentário

  1. “A sua religião é o judaísmo, minoritária e perseguida, colocando-o acima do conflito nem sempre latente entre católicos e evangélicos. ”

    Pra esses jornalistas ainda vivemos na Alemanha nazista. Se ele diz isso é porque a verdade é o oposto disso .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *