Home / Notícia / Juiz desmascara surto de "fake news" e diz que em momento algum considerou homossexualidade doença

Juiz desmascara surto de "fake news" e diz que em momento algum considerou homossexualidade doença

Waldemar Cláudio de Carvalho, juiz da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, afirmou em nota nesta quinta-feira, 21, que não considerou em nenhum momento a homossexualidade como doença.

A explicação oficial foi necessária após um surto de fake news da mídia cooptada pela extrema esquerda que distorceu a notícia de que o magistrado em questão havia determinado que o Conselho Federal de Psicologia não impeça os psicólogos de promoverem estudos e atendimento profissional àqueles que queiram falar sobre orientação sexual. A fake news foi a de que havia sido autorizada a “cura gay”.

Fonte: Estadão

Sobre A Redação

Leia também

Freixo usa a narrativa de que “nem todo impeachment é golpe”

Em campanha para aprovar o impeachment do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), …

18 comentários

  1. Só o termo “(RE)orientação” já diz tudo – como está na decisão. Sei que há um exagero da mídia sobre o assunto, mas isso é uma brecha para que as pessoas achem que a sexualidade é algo mutável, que pode ser alterado a qualquer momento; e que gays, lesbicas, trans e etc escolheram essa sexualidade. Talvez o ato do juiz pode não ter sido intencional, mas abriu uma brecha perigosa para que o preconceito contra homossexuais continue existindo, agora com o respaldo da justiça. Foram apenas duas palavras entre parenteses que estragou toda a decisão.

  2. É uma opção. Não é doença

    • Não é opção não. Se fosse, uma mudança baseada em critérias racionais seria possível. É uma tendência muito mais forte que uma simples opção.

  3. Nossa gente!!! E se a pessoa em questão não se sente bem com a orientação sexual que possui?Quer dizer que se ela era hetero e for ao psicólogo ele pode tratar, mas o contrário é preconceito e crime? Me poupem gente hipócrita.

  4. A que ponto chegamos! Agora temos que pedir permissão para procurer ajuda médica/profissional???

    Se a pessoa está sofrendo ou tem desconforto com algo ligado à sua mente ela tem todo direito a procurar ajuda.

  5. A palavra “terapia” vem do grego THERAPEIA, que significa “o ato de curar” ou “ato de reestabelecer”. Já este vocábulo grego tem origem em um verbo THERAPEUEIN, que significa “curar” ou “realizar tratamento médico. Outra palavra da mesma linha é THERAPON, que tem o significado de “aquele que serve, atende alguém”.

    Não há nenhuma fake news. Terapia de Reoriantação Sexual nada mais é que o nome técnico da “cura gay”. Se V. faz terapia para mudar a orientação, é que a anterior era “doentia/errada”, se não não seria terapia. Tal coisa não pode ser permitida por nenhum critério científico minimamente sério. Muito menos, tem um juiz de direito conhecimento para decidir sobre a questão, ainda mais de forma liminar.

    Não há “Terapia de Reoriantação Sexual” possível, assim como não há ex-gay, almoço grátis ou papai Noel. Já tentaram isso na URSS, Grã Bretanha, etc. A criminalização do homossexualismo e terapias que tais são as prováveis causas do suicídio de Alan Turing. O burro, analfabeto ou intelectualmente desonesto no caso foi o juiz.

    Ao defender o idefensável de forma estapafúrdia vocês perdem credibilidade. Deixem de se preocupar com o rabo dos outros e concentrem-se na economia e política.

    • Mas vc concorda que depressão é doença? Pq os homossexuais que irão procurar a terapia estarão buscando cura de depressão e conflitos da mente justamente por sofrerem Discriminação. Particularmente fiquei muito feliz por meus amigos trans que passam por esses conflitos.. como o caso da moça da novela (n assisto mas sei q tem um caso de uma trans que faz terapia por isso)
      Muitos que ainda não se aceitaram, que sofrem preconceito dentro da própria família precisam sim de ajuda pra se assumirem e viverem em paz com suas opções. Então creio q o mesmo q vc disse serve p essa situação. Parem de preocupar c os conflitos dos outros e se concentrem em coisas que realmente são importantes. Lutem msm contra o preconceito. Acho digno e super válido a luta, mas sem fricotes com tudo.
      Ps: sou bi.

    • mais um analfabeto funcional que não leu a ata e quer dar um de isentão. leia a ata de audiência e pare de falar asneiras, não existe criminalização de homossexualismo, seu ignorante:http://ehmbdeolhonatv.blogspot.com.br/2017/09/opiniao-o-apocalipse-de-uma-tv-pare-de.html

    • e quem é você para definir o que é ou não é confiável, sua besta? provavelmente o sujeito não vai ler o texto da ata, e ainda vai vir com essa conversa fiada. ou das duas: um analfabeto funcional ou um canalha dissimulado.

    • Tudo distorcido Tito Paiva!
      Primeiro que psicólogo não é médico e a palavra terapia, no caso de um psicólogo, nunca deve ser encarada como medicar ou curar como você pode ler nesse artigo da psicoTERAPÊUTA Marilia Saldanha Psicóloga, Psicoterapeuta feminista, Pesquisadora de Gênero, Mestre* em Psicologia pela PUC Rio.

      Segundo a etimologia, terapia do Latim THERAPIA, do Grego THERAPEIA, do verbo THERAPEUEIN significa tratar, curar. Este termo está bem presente no universo da psicoterapia e na própria palavra. Terapia, terapeuta, vínculo/aliança/relação terapêutica.

      Quando falamos que o cerne da relação entre paciente e psicoterapeuta é terapêutico não estamos nos referindo à cura e nem a tratamento, num sentido mais convencional. Não confundamos com a concepção de cura médica, pois para as dores subjetivas tratadas na clínica psicoterápica, não há medicalização, nem apoio tecnológico que possa substituir a relação terapêutica que é construída a cada sessão, através da mediação da palavra, do diálogo, do uso de recursos que variam de acordo com o embasamento teórico-prático de cada abordagem. É uma relação sobretudo humana onde o psicoterapeuta atua como um tradutor de sentidos das questões trazidas por seu paciente.

      Segundo, esse papo de que não existem tratamentos ou estudos sobre o assunto, leia esse estudo:
      Ex‑Gays?: A Longitudinal Study of Religiously Mediated Change in …
      Livro por STANTON L. JONES
      Essa é uma pesquisa profunda, extensa e séria feita nos Estados Unidos que tem como conclusões:
      1 Sim, a mudança é possível.
      2 Em muitos casos ela é bem sucedida.
      3 Não faz mal nenhum.

      Então tem que ser revistos os pontos de vista do CFP e parar de escurecer, obstruir e limitar os profissionais em prol de uma ideologia limitada, ultrapassada e ditatorial para com quem se sente carente de ajuda.

    • Pesquisa realizada por um instituto religioso? V. só pode estar de sacanagem.

      Infelizmente, nada impede que religiosos ofereçam esse tipo de curanderismo (e outros, basta ver o RR Soares na TV). Agora, carreiras científicas não. Ou V. é psicologo, ou é curandeiro, astrólogo, pajé.

    • Concordo contigo. Sou Lésbica e não vejo motivos para tanto auê….o que me parece é que agora, nós Gays estamos vivendo sob uma ditadura do Movimento LGBT…tudo tem que ser conforme as diretrizes deles(Movimento)…Gays e Lésbicas deixaram de ser “indivíduos” para se sumeterem em prol de um Movimento DEPRAVADO que não nos representa e visa unicamente contribuir para o caos da sociedade, destruição da família e afronta a FÉ CRISTÃ. FORA JEAN WILLYS. VOCÊ NOS ENVERGONHA.

    • E mais: A Critique of Jones And Yarhouse’s ‘Ex-gays?’ – em 3 partes
      https://exgaywatch.com/2007/11/a-critique-of-jones-and-yarhouses-ex-gays-part-1/

      “Despite explicitly stating that this study cannot demonstrate whether long-lasting change is possible, despite admitting that individuals in ex-gay ministries misreport their condition, despite knowing that previous testimonies of change were untrue, despite knowing that one of their own “Success: Conversion” participants later recanted his proclaimed “conversion” to heterosexuality, and despite the fact that “Success: Conversion” and “Success: Chastity” participants retain a homosexual orientation (using Jones and Yarhouse’s own definition), the authors claim that homosexual orientation is changeable! Clearly their conclusion is not consistent with the evidence: a continued homosexual orientation is not evidence of “healing” from homosexuality.”

  6. Na minha concepção, psicólogos não tratam doenças. E em nenhum momento foi argumentado que a homossexualidade é doença! Este movimento LGBT, é que faz todo este barulho. Psicólogos existem para apoio às pessoas com problemas emocionais, psíquicos, de crises existenciais, etc. Nada à ver com loucuras ou patologias mentais. Ninguém vai forçado à um tratamento assim! Vai a pessoa que quer encontrar-se consigo mesma. Isto vale para homossexuais e heterossexuais. O psicólogo não vai definir o gênero de quem quer que seja. Mas esta classe gosta de escândalos por nada.

    • Concordo contigo. Sou Lésbica e não vejo motivos para tanto auê….o que me parece é que agora, nós Gays estamos vivendo sob uma ditadura do Movimento LGBT…tudo tem que ser conforme as diretrizes deles(Movimento)…Gays e Lésbicas deixaram de ser “indivíduos” para se sumeterem em prol de um Movimento DEPRAVADO que não nos representa e visa unicamente contribuir para o caos da sociedade, destruição da família e afronta a FÉ CRISTÃ. FORA JEAN WILLYS. VOCÊ NOS ENVERGONHA.

    • Parabéns Dolores. Você disse tudo. Sou heterossexual e sempre respeitei as escolhas e opções de todos. Tenho amigos que são homossexuais e pensam como você.

  7. Realmente toda a confusão nasce da revolta de Jean em Brasília, destoando do que propusera o Juiz. Ora, ele não diz que há doença. Ele permite que quem deseja se tratar, que o faça. Disso para o preconceito vai uma distância enorme. Notadamente, algumas pessoas não se sentem bem com estas polarizações e por vezes precisam da opinião de um psicólogo, por exemplo. As pessoas tem o direito de buscar sua estabilidade material, psicológica e social.

  8. A culpa de toda parafernália contra os gays é Jean Wyllys de tanto falar besteira, e querer impor idéias absurdas, claro, as autoridades pegaram seu comportamento como exemplo e intitulou todos homossexuais como doente, psicopata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *