Home / Notícia / Narrativa petista após derrota no TRF-4 é de que “Moro mordeu a isca”

Narrativa petista após derrota no TRF-4 é de que “Moro mordeu a isca”

Há dois fatos relevantes sobre a chicana armada pelos petistas ontem no TRF-4. O primeiro deles é que quando os deputados entraram com o pedido de habeas corpus, já sabiam de antemão que seu colega, o desembargador Rogério Favreto (ex-filiado do PT) estaria lá e concederia o pedido. O objetivo, além é claro do óbvio que era libertar Lula ou pelo menos tentar, também era chamar atenção para o caso e trazer o ex-presidente de volta aos noticiários, já que ele esteve meio apagado nas últimas semanas.

O segundo fato, e talvez até mais importante, é que todos os envolvidos sabiam que o HC não duraria muito tempo. A esperança deles era que a PF respeitasse a decisão de Favreto ao ponto de pelo menos tirar Lula da prisão, mesmo que fosse para ele voltar no dia seguinte.

O problema é que tudo isso deu errado. Moro agiu rápido e de forma correta ao negar o habeas corpus e dar a ordem para que a PF não cumprisse o alvará de soltura, o que minou os dois objetivos ao mesmo tempo. Na esperança de que Lula ao menos chegasse a sair da carceragem para gerar novo fato político, os petistas não contavam com a atenção de Sérgio Moro ao caso, o que acabou frustrando seus planos.

Agora, visivelmente fracassados, os petistas criaram outra narrativa. Estão dizendo que “Moro mordeu a isca”, que o plano deles desde o princípio era “fazer Moro errar”. O blog Brasil 247 chegou a dizer o seguinte:

Para ministros do STJ e do STF, o PT conseguiu expor o voluntarismo de Moro, reforçando a tese de que ele não é imparcial nos casos do ex-presidente.

Note que os ministros do STJ e STF nem são mencionados, provavelmente porque nenhum deles disse qualquer coisa. É mais provável que isso aí seja uma invenção. Mas mesmo que seja verdade, alguns ministros nunca estiveram contentes com Moro de qualquer forma. Ainda assim, o fato mais relevante nisso tudo é que Moro não cometeu erro algum.

Favreto foi quem atropelou uma decisão colegiada do Tribunal Regional Federal, passando por cima de seus superiores com uma alegação fajuta de que havia “fato novo” no processo, um “fato novo” que ele não foi capaz sequer de demonstrar claramente em seus despachos. Depois, quando Gebran Neto e Thompson Flores, relator do processo e presidente do TRF-4, respectivamente, mantiveram a prisão de Lula, Favreto errou novamente ao continuar batendo de frente com o tribunal, emitindo novo despacho no qual exigiu mais uma vez a soltura de Lula.

Além disso, é importante mencionar que toda essa chicana serviu para algo muito útil: desmascarar mais um petista no judiciário. Até ontem o país não sabia nada sobre Favreto, ele não havia chamado atenção. Minutos após sua decisão inicial todo o seu histórico de ex-petista foi parar nos noticiários, deixando-o exposto.

A situação também serviu para abrir os olhos do poder judiciário, da polícia e da população em geral sobre o tipo de artifícios que o PT utiliza para conseguir o que quer. O desembargador, agora, sofrerá sanções do Conselho Nacional de Justiça, ou no mínimo terá sua conduta investigada. Moro segue no jogo.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

Eliana Calmon diz que Justiça do Trabalho foi aparelhada pelo PT

Eliana Calmon conhece o Judiciário como poucos, e, dentre estes, é a única a se …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *