Home / Notícia / Nota / Juízes ficam bravinhos após críticas ao magistrado que soltou homem que ejaculou em moça no ônibus

Juízes ficam bravinhos após críticas ao magistrado que soltou homem que ejaculou em moça no ônibus

Informa o Estadão:

Os juízes de São Paulo saíram em defesa, nesta sexta-feira, 1, do colega José Eugênio do Amaral Souza Neto, que na quarta, 30, soltou o homem que ejaculou em uma moça dentro de um ônibus. Em nota oficial, a Associação Paulista de Magistrados, influente entidade da toga, condenou o que classificou de ‘ataques (a José Eugênio) de maneira vil e covarde na imprensa e em redes sociais’.

Na cabeça de certos juízes o ato de libertar um homem que é conhecido por abuso sexual após ele ser pego em flagrante de seu ato é razoável. Pior, o homem em questão já tinha passagens anteriores pela polícia por cometer exatamente o mesmo crime. No entanto, criticar um juiz que ignora as leis de tal forma é totalmente inaceitável.

Alguns juristas têm o rei na barriga.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

Piração: UnB terá aula de “felicidade”

A Universidade de Brasília vai oferecer no próximo semestre uma disciplina sobre felicidade, focada em …

6 comentários

  1. Peco muito a Deus que abencoe muito essa moca linda, vitima desse absurdo. Onde vamos parar com essas leis??!!!! E o fim mesmo….

  2. De fato os juízes aqui no Brasil em sua grande maioria se acham mesmo semi deuses e o mais interessante é que justiça é uma porcaria. Como pode?

  3. O judiciário brasileiro está realmente doente. Mais um pouco e entrará em coma irreversível. Parte deste judiciário, o cérebro já parou de funcionar. Isto é lamentável para o povo como um todo, pois o ESTADO de DIREITO já é um cadáver ambulante, prestes à ser enterrado com a nossa frágil democracia.

  4. Agenor Gordilho Simões

    Realmente é sabido e consabido que alguns juízes sofrem de uma doença de certa prepotência deveras conhecida nos corredores forenses como “juizite”, o que os torna verdadeiros deuses na arte de julgar, tornando-se, com as exceções de praxe, muito superiores aos seres humanos comuns, e intocáveis quando vestidos na toga sagrada, que os colocam num patamar muito superior as demais pessoas, que as vezes carecem, através seus patronos, de maiores informações sobre o andamento de determinada ação e algumas não conseguem pela dificuldade de se ter acesso a um determinado juiz. Felizmente já existem sinais claros de cura dessa doença.

  5. Maria Lucia Carvalho dos Santos

    Sugiro aos ilustríssimos magistrados que cedam seus pescoços, caras ou quem sabe uma parte mais íntima e aconchegante ao coitadinho do tarado ou, ainda, quem sabe, talvez, as suas familiares femininas para saberem como as coisas são na real.

  6. 1) O elemento citado Diego Ferreira de Novaes é um tarado serial. Basta aproximar-se de uma mulher para que sua mangueira expila a gororoba líquida na vítima.
    É um crime ofensivo e risco à saúde pública, cujo perpetrador merece o confinamento com colegas que entendem como frear de forma educada e civilizada o comportamento de tarados.
    A próxima etapa criminosa de um tarado e expelidor serial é o estupro; a seguir, o assassinato da vítima.
    Caso a tragédia ocorra, sabe-se qual juiz será o principal cúmplice do crime: excelentíssimo doutor José Eugênio do Amaral Souza Neto.
    2) Na Associação Paulista de Magistrados devem haver mulheres juízas. Talvez elas possam contratar o “serial sperm” como guarda-costas delas ou de suas filhas, se defendem que o meliante possa ficar livre e solto, sem receber punição ou tratamento psiquiátrico.
    3) Esse tarado tem uma cara inconfundível e sua foto ainda está no site da “Folha de São Paulo” – até que o mesmo juiz humanista impeça o jornal de mostrá-la.
    As mulheres deveriam colocar a foto do bestalhão em seus respectivos smartphones, e fazer o maior escândalo dentro do ônibus, metrô ou trem, quando ele tentar aproximar-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *