Home / Notícia / PF deflagra operação de olho em propina na campanha de Haddad

PF deflagra operação de olho em propina na campanha de Haddad

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (1º) a Operação Cifra Oculta para apurar crimes eleitorais e lavagem de dinheiro relacionados à campanha de 2012 de Fernando Haddad para a prefeitura da cidade de São Paulo. O principal alvo da investigação é a gráfica Souza&Souza, que pertencia a familiares do ex-deputado estadual Francisco Carlos de Souza, do PT.

De acordo com a PF, a operação é um desdobramento da Lava Jato e teve início em novembro de 2015 por determinação do Supremo Tribunal Federal para desmembrar a delação premiada de executivos da empreiteira UTC Engenharia.

“O inquérito apura o pagamento, pela empreiteira, de dívidas de uma das chapas da campanha de 2012 à prefeitura municipal de São Paulo, referentes a serviços gráficos no valor de R$ 2,6 milhões. A gráfica pertencia a familiares de um ex-deputado estadual”, afirma PF por meio de nota. A dívida, segundo a PF, foi paga por meio de um doleiro, em transferências bancárias e dinheiro vivo, para empresas.

“Uma empresa mencionada na delação aparece como fornecedora de serviços, com valores informados de R$ 354.450,00. Somente consta na prestação de contas ao TSE [Tribunal Superior Eleitoral] outra prestação de serviços gráficos de R$ 252.900,00, valores bem inferiores à soma de R$ 2.600.000,00, que teria sido paga pela empreiteira UTC a gráficas”, diz o comunicado.

Três delatores da Lava Jato relataram que a gráfica recebeu o dinheiro de propina da Petrobras para pagar dívidas da campanha de 2012 de Haddad. Naquele ano, o ex-ministro da Educação surpreendeu ao se eleger prefeito da maior cidade do país na primeira disputa eleitoral de que participou.

Os delatores afirmam que os pagamentos da UTC à gráfica foram feitos por meio do doleiro Alberto Youssef. Ele disse que atendeu a um pedido da UTC e que fez o pagamento em parcelas, em 2013, por meio de dinheiro em espécie e transferências bancárias por meio de suas empresas de fachada.

Participam da operação 30  policiais federais que cumprem nove mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, em São Caetano e Praia Grande, na Baixada Santista. Os mandados foram expedidos pela 1ª Zona Eleitoral de São Paulo.

O ex-prefeito de São Paulo ainda não se manifestou sobre a operação.

As informações são do site Congresso em Foco.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

PT quer fazer “controle social” do Judiciário

Fernando Haddad segue sua jornada de entrevistas como dublê de coordenador de programa de governo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *