Home / Notícia / Temer cede de novo a caminhoneiros, mas retorno ainda é incerto

Temer cede de novo a caminhoneiros, mas retorno ainda é incerto

Para tentar encerrar a greve dos caminhoneiros, que completa uma semana, o presidente Michel Temer cedeu e reduziu em R$ 0,46 na bomba o valor do diesel, com corte em tributos como a Cide e o PIS/Cofins. Também decidiu congelar o preço do óleo diesel por 60 dias, e não mais 15 ou 30 dias como anunciado semana passada. Vencidos os dois meses, o reajuste será feito a cada 30 dias.

Michel Temer também assinou três medidas provisórias que garantem a isenção da cobrança do eixo suspenso nos pedágios, a reserva de 30% dos fretes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para os caminhoneiros autônomos e uma tabela com valores mínimos para os fretes rodoviários.

Essas foram as cinco medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer em pronunciamento nesse domingo à noite (27) após reunião de mais de 12 horas de negociação com outros ministros e representantes dos caminhoneiros. As três MPs foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União. Essa foi uma das exigências do comando grevista para encerrar o movimento.

Pela proposta do governo, o Tesouro terá de ressarcir a Petrobras pelos descontos que serão concedidos e pelo congelamento do preço. A origem dos recursos só deve ser apontada nesta segunda-feira.”Para chegar a esses R$ 0,46, o governo está assumindo sacrifícios no orçamento e honrará essa diferença de custo sem nenhum prejuízo para a Petrobras”, disse Temer em seu pronunciamento.

“Fizemos nossa parte para atenuar problemas e sofrimentos. As medidas que acabo de anunciar atendem às reivindicações que nos foram apresentadas. Por isso, quero manifestar a plena confiança no espírito de responsabilidade, de solidariedade e de patriotismo”, discursou. “Os efeitos dessa paralisação na vida de cada cidadão me dispensam de citar a importância da missão de cada trabalhador do setor de cargas”, acrescentou. Em vários lugares do país houve panelaço e vaias enquanto o presidente discursava.

Ao deixar o Palácio do Planalto, o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que recomendaria aos motoristas que voltassem ao trabalho por entender que as reivindicações haviam sido contempladas pelo governo. A entidade, que representa quase 1 milhão de caminhoneiros, havia se recusado a assinar o acordo anunciado na última quinta-feira. “Foi o melhor para o caminhoneiro. Peço aos motoristas que levantem acampamento e sigam a vida”, declarou Fonseca. A entidade, porém, admite que não tem como assegurar que seu posicionamento será seguido pelos caminhoneiros. Até o início da manhã desta segunda-feira (28) os protestos continuavam em todo o país.

“Conseguimos parar este país e sermos reconhecidos pela sociedade brasileira e pelo governo. Nossa manifestação foi única, como nunca ocorreu na história. Seremos lembrados como aqueles que não cederam diante das negativas do governo e da pressão dos empresários do setor. Teremos o reconhecimento da nossa profissão, de que nosso trabalho é primordial para o desenvolvimento deste país. Voltem com a sensação de missão cumprida, mas lembrando que a luta não termina aqui”, destacou nesta manhã em nota a Abcam.

As informações são do Congresso em Foco.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

PT quer fazer “controle social” do Judiciário

Fernando Haddad segue sua jornada de entrevistas como dublê de coordenador de programa de governo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *