Home / Opinião / Coluna / Expulsão de deputado do PSOL que votou em prol de Picciani é teatrinho para enganar bobo

Expulsão de deputado do PSOL que votou em prol de Picciani é teatrinho para enganar bobo

por Roger Scar

Imagine que você queira ajudar um grande amigo mas, por algum motivo, não possa fazer isso em público, na frente de todos, de modo que sua única opção seja fazê-lo por baixo dos panos. Assim foi a votação na ALERJ que favoreceu Jorge Picciano, Albertassi e Paulo Melo.

A alta cúpula do PMDB do Rio, que é um antro comprovado de corrupção, atuou firmemente em prol dos interesses petistas nos últimos anos. Para se ter uma ideia, o deputado federal Leonardo Picciani, verdadeiro autor do projeto de lei do voto impresso (Não, não foi o Bolsonaro), votou a favor de Dilma Rousseff no processo de impeachment. É bom lembrar que ele é filho do presidente da ALERJ.

O ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes, foi apoiado abertamente pelo PT quando se elegeu em 2012, e até mesmo a comunista Jandira Feghali fez propaganda para ele. Sérgio Cabral também foi apoiado por Lula e Dilma, assim como Pezão. Sendo assim, estava na hora de alguns petistas retribuírem o favor. Foi assim que as coisas aconteceram na semana que passou em relação a votação que favoreceu os três investigados da Operação Cadeia Velha.

O deputado estadual Paulo Ramos, do PSOL, foi um dos que votou a favor de Picciani, garantindo a ele o que precisava. Depois disso, o partido decidiu afastá-lo e diz que irá expulsá-lo. Porém, é importante se perguntar: será mesmo que o PSOL não gostou de sua atitude?

Não importa que dois terços da imprensa tenham reproduzido a nota do partido rechaçado o deputado, pois os fatos falam bem mais alto. Era evidente que o partido não poderia assumir para si a bronca, era claro que boa parte dos petistas precisava pelo menos fingir que não está ao lado de Picciani. Paulo Ramos, então, fez o papel de bode expiatório, levando a culpa em público por fazer aquilo que certamente já estava combinado.

Ser expulso do PSOL, aliás, nem mesmo é uma punição. Tendo uma cadeira cativa na Assembleia, ficará fácil conseguir outra legenda. É o tipo de coisa que não gera qualquer problema para ele. Sendo assim, tudo isso não passa de mero teatrinho para enganar bobo. Essa briga entre eles tem tudo para ser falsa.

Favorecer Picciani e a alta cúpula peemedemista do Rio era algo que já estava no script há muito tempo, esta é a verdade.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

Ciro Gomes faz o diabo para herdar os votos de Lula

Em palestra na Câmara de Comércio Brasil-Suécia, em Estocolmo, Ciro disse que a ideia de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *