Home / Opinião / Homem é preso pela PM após abusar de mulher em ônibus, mas Clara Averbuck diz não registrar queixa por "não acreditar no sistema"

Homem é preso pela PM após abusar de mulher em ônibus, mas Clara Averbuck diz não registrar queixa por "não acreditar no sistema"

Ainda que existam delegacias voltadas para a mulher, algumas delas especializadas em casos de abusos sexual (estupro), a feminista Clara Averbuck alegou não registrar queixa contra o motorista que supostamente a abusou por não confiar na polícia.

Eis que coincidentemente hoje um homem foi preso pela polícia, em São Paulo, após abusar de uma mulher dentro de um ônibus. O potencial estuprador teria, segundo a vítima, apalpado os seios dela, como informou o G1.

cb9b6384-37eb-46d6-b662-ae40c92f9e44.jpg

É sabido que casos de abuso dentro de metrôs e ônibus são comuns, muitas mulheres se queixam de serem encochadas ou indevidamente apalpadas. No entanto, quando uma mulher denuncia esse tipo de coisa é normal que o agressor seja punido severamente, muitas vezes até pelas pessoas próximas ao local. A polícia dificilmente faz vista grossa para esse tipo de coisa.

O caso de Clara é distinto, porque ela fez a denúncia nas redes sociais em vez de registrar uma queixa ou simplesmente ligar para a polícia no ato. Com a queixa pública, ela conseguiu atenção, virou capa em diversos jornais, e o seu suposto agressor foi punido perdendo o emprego.

Se a feminista tivesse, por exemplo, registrado a queixa, o caso seria obrigatoriamente investigado pela polícia. O motorista acusado seria chamado para depor, teria que esclarecer o caso, e possivelmente descobririam se ele realmente fez isso ou não. Talvez com o caso vindo a tona outras possíveis vítimas também o denunciassem, o que comprovaria a versão dada por Clara e traria a desejada punição a um estuprador. Ela optou, em vez disso, por denunciar o suposto crime ao portal UOL.

Sobre RedatorJornalivre

Leia também

Há um Brasil doente que apoia tortura e perseguição a opositores, Sakamoto faz parte dele

por Roger Scar O blogueiro petista Leonardo Sakamoto, que escreve para o UOL, batizou um …

2 comentários

  1. ACHO UMA INCOERÊNCIA QUANDO SE DIZ QUE ESSE TIPO DE CRIME NAO TEMA DEVIDA ATENÇÃO NO BRASIL , POIS COMO DIZ O TEXTO , AS PESSOAS COMO UM TODO ABOMINAM UM CASO DESSE E ELA PODIA SIM TER REGISTRADO QUIXA MAS PREFIRIU APARECER NAS MIDIAS, APENAS PRA DIZER QUE NO BRASIL NAO SE DA O DEVIDO TRATAMENTO AS VITIMAS DESTE CRIME.

  2. Adilson Nagamine CG

    O governo petista DIMINUIU a pena dos tarados. Sabia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *